Arquivo_001 (2)

DROPS

Desenvolver uma empresa não significa quebrar as pessoas

Será que a empresa onde você trabalha consegue reconhecer isso?

Essa última frase da psicóloga portuguesa Cassiana Tavares, doutora em Saúde Ocupacional, me chamou muito a atenção.

Muito ainda se teima em acreditar que lucro e bem-estar são opostos – ou, no mínimo, incompatíveis.

Mas veja bem: já se sabe que pessoas com alto rendimento e engajamento tem propensão especial a desenvolver a #síndromedeburnout.

Já se sabe que o tempo de recuperação após um colapso é de, no mínimo, 2 anos, podendo chegar a cinco anos com facilidade.

Já se sabe que o custo em exames, medicamentos e tratamentos médicos e psicológicos é elevadíssimo.

Já se sabe que essas pessoas raramente retornam ao mesmo emprego.

Já se sabe o tempo e o custo envolvido em treinar um novo colaborador que o substitua (e que, muitas vezes, são necessárias 2, 3, 4 pessoas para realizar o trabalho de uma sobrecarregada).

Qual parte ainda não deu pra entender?

Individualmente, precisamos aumentar consideravelmente nosso preparo emocional para o mercado de trabalho.

As organizações, por outro lado, não podem mais adiar esse entendimento.

Manter ambientes que adoecem as pessoas NÃO FUNCIONA – do ponto de vista financeiro, ético ou humano.

Será que a empresa onde você trabalha consegue reconhecer isso?

Aciona o lembrete nos stories. 🙂

Com amor, Carol Miltersteiner💛

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Copy Link
Copy link