Arquivo_000 (3)

O que importa é buscar

Há exatos 5 anos, muito antes de me considerar escritora, eu postei o texto abaixo 👇 no meu Facebook.

A viagem que fiz pro Chile por 36 dias mudou tudo, de verdade.
Aqui, meu olhar de recém-chegada:

🇨🇱 Santiago, 26 febrero 2016
Dia 2 de 36

Dia de muitas, muitas palavras.
Reflexões.
Epifanias.
Muitas pra um dia só e logo de cara, assim.

Dia de deixar no fundo da gaveta a bússola,
o GPS e o app que faria uma recomendação super inteligente para o meu roteiro.
Meu objetivo não é fazer o trajeto que todo mundo que vem a Santiago precisa fazer.

O flâneur é aquele indivíduo que simplesmente passa,
flui pela cidade.

Surgiu no século XIX (e mais que isso não me atrevo a explicar)
como a imagem de alguém que,
mais do que as estruturas e obrigações urbanas que já começavam a se impor,
queria tão somente “ser”.

Desfrutar.

Andar sem rumo ou trajetória,
tendo cada paisagem como uma experiência nova a ser desfrutada
sem necessariamente gerar algum resultado prático.

E essa autolibertação me é uma coisa muito importante.
Muito.

É mais importante que eu consiga me autorizar a passar quatro horas no terraço do hostel
escrevendo e externando tudo o que se passa aqui dentro,
enquanto a cidade permanece ali,
aguardando o meu tempo,
do que colecionar pontos visitados.

E quando me pus a caminhar e me deparei com uma banda chilena tocando Pink Floyd,
no meio de uma avenida movimentada,
para menos de 20 pessoas
– como se estivesse em um estádio,
eu entendi.

Que não importa o que tem fora.

Se é um jardim,
dez pessoas,
uma pessoa.

Se dentro a gente olha com olhos grandiosos,
curiosos e amorosos,
um solo de guitarra na calçada se torna o momento mais incrível da nossa vida.

O que significa que,
ou os dias serão maravilhosos e inesquecíveis como ontem,
ou devo ter consciência de que virão dias menos ensolarados como este.

E tudo certo.

O que importa é buscar isso,
até porque,
por óbvio que pareça,
o buscar facilita razoavelmente o encontrar.

E a busca, por si só, já vale toda uma vida.

Com amor,
Carol Miltersteiner 💛

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

Por que escrever?

Por que escrever? Porque escrever desenrosca as ideias,materializa o intangível,amplia a compreensão. Porque escrever cria uma cápsula do tempo,pra ser revisitada daqui a 5 dias,dez

Continue lendo »

Estamos em guerra

O vírus e suas variantes tem nos tirado parentes,amigos, conhecidos e desconhecidos pelo mundo inteiro. Tem nos tirado a liberdade de ir e vir. Nos

Continue lendo »
Por que escrever? Escrita Terapêutica - Carol Miltersteiner

Por que escrever?

Porque escrever desenrosca as ideias,materializa o intangível,amplia a compreensão. Porque escrever cria uma cápsula do tempo,pra ser revisitada daqui a 5 dias,dez anos,seis gerações. Porque

Continue lendo »
0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x