Me bateu aqui uma nostalgia boa dos encontros entre amigos que eu tinha no começo da adolescência.
Quase 20 anos já se passaram das noites ouvindo rock progressivo, filosofando sobre questões profundas – achando que a gente sabia alguma coisa da vida.
O nosso programa de adolescente era esse: conversar, horas e horas a fio.
Ir numa livraria.
Ler os clássicos, densos (eu, preguiçosa, lia pouco comparado ao resto do grupo, mas aproveitava a discussão mesmo assim).
Ouvir música, um álbum inteirinho, de ponta a ponta.
Tentar descobrir o que estava por trás das letras quando não se tinha um @genius pra nos dar as respostas.

Menos de um ano antes de entrar nesse grupo da música e das conversas, eu havia sofrido bullying.
Foram uns seis meses de terror diário, provocado pelas meninas que eu jurava serem as minhas melhores amigas até outro dia.
Apanhei, fui repetidamente humihada, exposta.
Aquilo me causou uma ferida que até hoje ainda está semiaberta.
Quando finalmente troquei de escola, pra não continuar apanhando, fiz esse amigo – que não vejo há anos, mas que foi uma das pessoas mais especiais que já passaram pela minha vida.
Ele me acolheu.
Me emprestou livros, discos, e com ele eu fui explorando uma parte minha que eu não dava vazão no círculo de amizades que havia se virado contra mim.

De lá pra cá, a vida foi me presenteando com pessoas que chegavam e me davam um empurrãozinho em direção à vida que eu tenho hoje.
Uma vida que não é perfeita.
Não é livre de perrengues.
Mas uma vida que eu amo com todo o meu coração.

Pessoas que trabalharam comigo e me inspiraram a aprender algo que hoje eu domino.
Pessoas que disseram algo sobre um talento meu que eu não valorizava.
Pessoas que me mostraram um jeito de viver diferente do que eu conhecia.
Pessoas que me trataram de um jeito que eu não sabia que era possível.

Eu não sei o que seria da minha identidade se não tivesse encontrado essas pessoas, 20 anos atrás.
Ou quaisquer das muitas pessoas que passaram pela minha vida desde então.
💛

Carol Milters

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

Gratidão #UmPassoPorDia

O exercício da gratidão é comprovadamente eficaz em nos reerguer de processos depressivos, ansiosos, ou de momentos desafiadores. Em tempos como os que vivemos hoje,

Continue lendo »
0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x