E eis que, num domingo parcialmente nublado, eu me vejo bebendo quentão (gluwijn) às 11h30 da manhã, brindando a conquista mais surpreendente da minha vida inteira: terminar de escrever um livro.

Meu primeiro livro. Que tem quase tudo de mim: os dias, os medos, as músicas, as alegrias, as lições, as porradas.

Digo quase, porque é impossível colocar tudo de si em qualquer coisa que seja. Sempre faltará algo. Algo que ainda não aprendi, algo que ainda não consigo compartilhar, algo que ainda não vivenciei.

Chega uma hora em que precisamos colocar o ponto final na história. Dá um medo, porque é a redução de todas as possibilidades, todos os sonhos, todas as potencialidades de algo que talvez parecesse tão mais perfeito, tão mais genial, quando era só fruto da nossa imaginação.

Essa é a sina de quem cria: descobrir onde sua peça acaba. Finalizar é aterrorizante. Ao mesmo tempo, é necessário, fundamental. Finalizar é importante pra nossa sobrevivência física, emocional, cognitiva.

Ainda tenho bastante chão pra percorrer com esse livro: diagramar, receber os inputs dos primeiros leitores, traduzir pro português, disponibilizar para venda, gravar a versão em áudio, organizar os eventos de celebração, desenvolver as questões que surgirão dele.

Trilharemos juntos, o livro e eu, por um bom tempo.

Será divertido.
Já está sendo.

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x