fbpx

Observações de diversas naturezas, profundidades e extensões.
Diretamente daqui de dentro, pra chegar aí dentro 💛

Relações tóxicas: a ofensa do outro jamais pode te definir.

Um traço perverso de uma relação tóxica é a sensação de nunca podermos baixar a guarda com quem é abusivo.

A pessoa abusiva parece que sente quando baixamos nossa guarda.
É aí que ela encontra terreno fértil para agir – nos diminuindo, nos criticando e nos submetendo a ela emocionalmente.

Só que isso pode nos colocar numa posição de constante vigilância que só prejudica a nossa saúde – e todas as outras relações.

Isso causa angústia, dor e frustração em quem só quer poder ter o mínimo de autonomia para sentir e existir.
Quem passa por isso, sabe.

Acontece que a gente vai aprendendo a não se entregar totalmente e a não confiar totalmente, nos colocando em uma desconfiança generalizada.

Ficamos com um medo crônico de que qualquer pessoa, em qualquer contexto, possa nos submeter de novo.

É só com tempo, conhecimento e maturidade que vamos aprendendo ao redor de quem a gente pode ser livremente, ao redor de quem a gente precisa se preservar, quais relações vale a pena manter e quais é preciso romper pelo bem da nossa sanidade.

É um trabalho árduo e, sim, injusto.

O trabalho interno parece sempre cair inteiramente a quem sofre o abuso, e não a quem o causa.
E isso é enfurecedor.

Muitas vezes, é possível – e necessário, sim, reivindicar, denunciar, protestar.
Não normalizemos, jamais, o abuso.

Mas o efeito das denúncias e da responsabilização do outro ainda não dá conta do que a gente precisa fazer pra sobreviver emocionalmente.

Pra isso, precisamos parar de invisibilizar a nossa própria dor e nossa própria potência.

Precisamos dedicar a nossa energia às relações que valem, sim, a pena, e às pessoas com quem a gente pode ser livremente.

Reconhecer essas relações.
Agradecer essas relações.

Precisamos aceitar que infelizmente o mundo não é uma terra encantada cheia de pessoas perfeitas – tampouco nós somos.
Precisamos aprender a lidar com a grosseria e com o desrespeito – não passando pano pra ela, mas entendendo que a ofensa do outro jamais pode te definir.

A gente precisa se cuidar todos os dias.
Sobreviver todos os dias.

Saber pra quem e quando manter a guarda alta todos os dias.
Investir tempo, energia e atenção no que nos permite baixar a guarda.

E lembrar, todos os dias, que existe muita vida além da dor.

Carol Milters
Carol Milters

Escritora, Investigadora & Facilitadora
Saúde Mental no Trabalho, Síndrome de Burnout, Workaholismo & Escrita Reflexiva


Autora dos livros, "Minhas Páginas Matinais: Crônicas da Síndrome de Burnout" e Um Passo Por Dia: Meditações para (re)começar, sempre que preciso idealizadora da Semana Mundial de Conscientização da Burnout, do grupo de apoio online Burnoutados Anônimos e conselheira do Instituto Bem do Estar.

Deixe seu comentário e continue a conversa:

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.