Crônicas

Nunca foi sorte

IMG_7359

 A sorte e o inesperado são inegáveis.
Chame isso de universo, de aleatoriedade, de Deus, de destino, mas entenda que não tá tudo na nossa mão.

Isso não é pra desmerecer o trabalho de ninguém, mas é pra nos lembrar que quem tá no “topo” (entre MUITAS aspas), quem se destaca em algo, quem atinge um resultado que te parece inspirador não é necessariamente uma pessoa melhor.

O maior erro da minha vida foi, por um período muito breve, ter quase acreditado que ganhar bem e ter um título eram 100% méritos meus e que isso significava automaticamente que quem não estava no mesmo patamar é porque não merecia.

Nessa fantasia toda, eu me esqueci da sorte que eu tive de nascer na família que nasci, de ter tido as oportunidades que tive.

Eu também fiz- e faço – por merecer.
Hoje não tenho mais dúvidas disso.
Nem tudo é aleatoriedade.
Mas nem tudo é mérito.

É fácil conciliar esse paradoxo dentro da cabeça? Claro que não.
Mas é vital pra manutenção da nossa saúde mental e da nossa humanidade.

Com amor,
Carol Milters 💛

Carol Milters

Carol Milters

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

Autora do livro "Minhas Páginas Matinais: Crônicas da Síndrome de Burnout", idealizadora da 1ª Semana Mundial de Conscientização da Burnout e do grupo de apoio online Burnoutados Anônimos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

Mais crônicas

Nunca foi sorte

 A sorte e o inesperado são inegáveis.Chame isso de universo, de aleatoriedade, de Deus, de destino, mas entenda que não tá tudo na nossa mão.

Continue lendo »

Artigo em destaque

2021: o ano em que aprendemos a dizer sim para a nossa saúde mental

2021: o ano em que aprendemos a dizer sim para a nossa saúde mental

Estamos começando a aprender a dizer sim para a nossa saúde mental – e mais do que isso, estamos aprendendo a compartilhar este sim com outras pessoas, amplificando a mensagem. Certamente ainda há muito, muito a se fazer. Mas para poder seguir adiante, a gente precisa se permitir, pelo menos de vez em quando, celebrar.

Leia mais »
0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x