Arquivo_012

Uma síndrome em 3 atos

Burnout: uma síndrome em 3 atos

– 1° Ato –
“Não tenho tempo nem de respirar”, a gente diz.

Os dias voam.
Já é quinta-feira?

A gente sente raiva do chefe,
raiva do colega,
raiva do cliente,
raiva de nós mesmas.

A gente quer abraçar o mundo.
E quer fazer isso melhor do que ninguém.
O nosso entorno aplaude, celebra a corrida.

Não foi a gente que inventou o acelerador.

O tempo escorre pelas mãos.
Nunca é o suficiente.

Mais um café.
Mais uma noite em claro.

Não sobra tempo pra respirar.

Até que um dia,
no pior momento possível,
o ar nos falta.

E o fogo apaga.

– 2° Ato –
O corpo se entrega.
A mente paralisa.

Os dias se arrastam.
A gente só quer que chegue o amanhã,
porque amanhã talvez a gente se sinta melhor.

O mundo continua girando em torno de nós.
Rápido demais.

Cadê a força que tava aqui?
Como isso foi acontecer comigo?

“Não faz pergunta difícil”,
a gente diz
quando alguém pergunta,
“tá tudo bem?”

Tudo cansa.

Os dias e as noites se confundem.
As consultas,
os exames,
as prescrições.

Parece que a gente nunca mais vai dar conta de viver uma vida “normal”.
E a gente tenta voltar ao “normal” por tempo demais.

Até que um dia, nos damos conta de que o normal é inventado.

E que o nosso normal pode ser inventado por nós.
Pode ser o que a gente quiser.

E a chama reacende devagar.

– 3° Ato –
O sol volta a bater na janela do nosso quarto.

Foram meses, anos, na escuridão.
Ao mesmo tempo,
parece que passou tão rápido.

Os dias voltam a ter graça.
A gente consegue fazer uma promessa
e cumprir aquela promessa.

Enxergamos os limites.
Assimilamos os traumas.
Nos permitimos ir atrás dos nossos desejos.

Reaprendemos a caminhar,
a nos relacionar,
a trabalhar.

As recaídas nos abalam,
e a gente aprende a conviver com elas.

O nosso eixo agora é visível,
cristalino.

A vida segue nos tirando do eixo,
nos atira pra lá e pra cá.
Mas a gente agora sabe pra onde voltar.

As coisas continuam saindo do nosso controle,
mas a gente agora ri disso tudo.

O nosso fogo agora aquece sem queimar.

E a gente aprende, dia após dia,
que pode brilhar sem incendiar.

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

Pausar é preciso

A pausa é produtiva.É saudável.É necessária. Quando nos colocamos em um ritmo acelerado,Quando nos ocupamos constantemente,Quando nos pomos a fazer cinco coisas ao mesmo tempo,Estamos

Continue lendo »

Conscientização da Burnout

(escrito hoje cedo) Existe uma cura coletiva que vai acontecer através das falas desta semana – e dos conteúdos que você pode compartilhar usando #conscientizaçãodaburnout. Mas

Continue lendo »
0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x