ARTIGOS

Guia de saúde mental para tempos de crise

4 minutos de leitura
Nesse artigo especial, compartilhamos dicas e informações úteis para que consigamos passar por essa fase com a cabeça no lugar.

Neste artigo

Artigo originalmente publicado como coluna no site Aparelho Elétrico, em abril de 2020.

E eis que tudo mudou.

Não se fala em outra coisa nos jornais, nas redes sociais, nos grupos de Whatsapp. Ou estamos isolados em casa, ou correndo risco de contaminação. Estamos em meio a maior crise da nossa geração, no epicentro de uma situação que não se sabe até quando vai durar. 

Existem muitos desafios postos nesse cenário. Um deles, que interfere diretamente em todos os outros, é como cuidaremos da nossa saúde mental. 

As coisas já não estavam fáceis antes, e agora parece que piorou. Se antes de tudo isso, já estávamos estressados, ansiosos e deprimidos, como seguir adiante?

Esse artigo visa te explicar um pouco do que está acontecendo aí dentro da sua cabeça enquanto o mundo entra em parafuso, e te oferecer algumas ferramentas acessíveis, para que eu e você consigamos atravessar esse momento da melhor forma possível.

Se tiver tempo e paciência, te recomendo ler o artigo inteiro. Se essa introdução já foi demais pra você, pule direto pras dicas, e volte quando puder (se quiser).

Você precisa se permitir sentir,
para conseguir superar

Empurrar os problemas pra debaixo do tapete nunca resolveu nada. 

O mesmo acontece com as nossas emoções e com o nosso stress. E isso não é frase de efeito, é ciência: a nossa resposta mental e física às emoções acontece de forma cíclica e em uma só direção, que é em frente. 

Quando somos tomados por uma ansiedade, por um medo, ou raiva, segurar esse medo dentro de nós não faz com que ele desapareça: faz com que ele fique represado dentro de nós, ditando as nossas ações muito mais do que imaginamos.

A pesquisadora e recente fenômeno de Netflix, Brené Brown, fala sobre a relação direta entre nos permitirmos sentir as emoções (“boas” ou “ruins”) e sermos mais felizes.

A primeira dica que eu quero te dar pra esse momento, portanto é: sinta.
Sinta o medo. Sinta a raiva. Sinta a tristeza. 

Está tudo bem não se sentir bem. Não compare o que você sente ou os seus problemas, com os do vizinho. 

Todos nós estamos com medo, dos mais aos menos privilegiados. E todos nós precisamos nos confrontar com esse medo, individualmente.

Não tenha medo de ter medo. 

Sinta, fale, escreva, pinte, grite as suas emoções. É só assim que você vai permitir que ela passe por você e vá embora.

Com o stress é parecido. Nesse caso, contudo, você precisa reforçar pro seu cérebro que, apesar de não parecer, você está seguro. Em situações como a que vivemos hoje, nossos sistemas de defesa facilmente entram em alerta. O que é ótimo quando corremos real risco de vida, mas péssimo se vivido dia após dia.

E aqui vem a minha segunda dica: lembre a sua mente e o seu corpo que você está seguro. Exercícios de respiração e meditação atuam muito bem nisso. Conversar com amigos, fazer terapia, cantar, dançar e exercitar o corpo também ajudam.

Lidando com a incerteza 

Um dos maiores incômodos da nossa situação atual é a impotência: a gente não sabe até quando vai precisar ficar em casa, não sabe o que será dos nossos empregos, não sabe se as pessoas que a gente ama passarão imunes a essa.

É realmente assustador. De novo, se permita sentir essa incerteza, e entenda que uma parte sua está só querendo te proteger. As nossas ansiedades nunca são totalmente infundadas, e isso é importante lembrar. Perceba que essa parte sua só quer o seu bem mas não sabe muito como fazer isso (como uma mãe superprotetora).

O Simon Sinek, que ficou mundialmente conhecido em sua palestra sobre propósito, tem outra fala muito interessante sobre jogos finitos e infinitos. O livro mais recente dele é sobre isso, inclusive. 

A ideia é complexa e poderia render um artigo só sobre isso, mas deixa eu te trazer o conceito básico: existem dois tipos de jogos, os finitos (imagine uma partida de futebol, com regras, começo, meio, fim, vencedores e perdedores); e os infinitos (imagine um jogo de RPG, que dura dias, semanas, e cujo maior objetivo é simplesmente seguir jogando).

Todas as situações na nossa vida podem ser enquadradas em um desses dois tipos. O sofrimento, muitas vezes, decorre de esperarmos um apito final de situações que não tem esse apito

Pense na carreira: ela é um jogo infinito, mas aprendemos a encará-la como finito. Aprendemos que precisamos aspirar a tal cargo, tal salário, tal prêmio. E depois disso? O que importa, mesmo, é se manter jogando. Não existem vencedores.

Uma crise como essa que estamos passando hoje é um jogo infinito. E é por isso que nos irrita tanto ver gente nos dizendo pra “tirar o melhor da quarentena”. Não existem vencedores numa pandemia. Existe continuar jogando. O que importa é continuar acordando, dia após dia. 

O que mais importa nos jogo infinitos são os nossos valores e o nosso propósito. Se a gente tem clareza de estar indo atrás do que realmente importa, e se a gente se conhece o suficiente pra entender que os nossos dias tem algum sentido (seja ele realizado no trabalho, de forma voluntária, ou em família), a gente segue adiante, dia após dia.

Alguns dias serão terríveis.
Alguns dias serão maravilhosos.

E não importa. O amanhã vai continuar chegando.

Assista a palestra do Simon sobre esse tema.

A minha terceira dica é: não se iluda mirando uma linha de chegada. Busque o que faz sentido pra você, e foque em viver bem cada dia. E f#d@-se o resto.

Uma lista de ações que podem te ajudar, feita por especialistas

Aqui eu serei mais prática. Muita gente tem dado conselhos de produtividade e saúde para esse período. Eu gosto de dar ouvidos a quem realmente entende do assunto

E aí eu te trago as orientações do Dr. Bepi Raviola, Diretor de Saúde Mental da Partners in Health (ONG especializada e calejada em atravessar crises de saúde pública). 

Segue as dicas do Dr. Raviola:

1. Distanciamento social não é distanciamento emocional: use e abuse da tecnologia para se conectar com outros.
2. Mantenha rotinas claras e uma agenda organizada para os seus dias, na medida do possível – mas não se cobre muito.
3. Pratique exercícios físicos – diariamente, se possível.
4. Mantenha-se intelectualmente engajado: leia, estude, consuma informação (com moderação).
5. Dedique tempo consciente e positivo em família – esforce-se em atividades que compensam a negatividade.
6. Dedique tempo para ficar sozinho também – se possível, fora de casa, mas dentro de casa também ajuda.
7. Medite e faça exercícios de relaxamento.
8. Tome banho de banheira diariamente, se possível (considerando a nossa realidade, eu aqui te recomendaria fazer um bom e velho escalda-pés)
9. Lembre-se das coisas que você mais gosta de fazer – veja quais você consegue fazer nesse tempo, e encontre formas de fazê-las.
10. Limite sua exposição a noticiário na TV e internet: defina janelas curtas pra se manter informado, sem exageros. 

Cuidando de você mesmo e dando o exemplo, você estará fazendo mais pelo mundo do que imagina. Fique também à vontade de enviar para nós algo mais que tenha ajudado você a manter a sanidade nesses momentos.

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

Deixe seu comentário e continue a conversa

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Acompanhe @carolmilters nas redes sociais:

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

Leia mais sobre Síndrome de Burnout,
saúde mental na relação com o trabalho e escrita terapêutica:

Pausar é preciso

A pausa é produtiva.É saudável.É necessária. Quando nos colocamos em um ritmo acelerado,Quando nos ocupamos constantemente,Quando nos pomos a fazer cinco coisas ao mesmo tempo,Estamos

Continue lendo »
0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x