Crônicas

A escrita liberta

Arquivo_000 (5)

Escrever liberta.

Quatro anos atrás, eu comprei esse caderninho.
Eu estava no meio de um Burnout e não sabia.

Nos três anos anteriores, me atirei de corpo e alma no trabalho.
Vi ali uma forma de preencher vazios imensos que eu carregava.
Vi ali uma forma de ser independente, de ser reconhecida, de ser importante.

O meu entorno me recompensou:
ganhei dinheiro,
ganhei responsabilidades,
ganhei títulos.

Mas me perdi de mim.

Parei de escrever “Tudo bem?” nos e-mails,
porque não podia perder tempo com “besteira”.
Parei de rir no escritório porque precisava ser respeitada.
Parei de sair,
de ler,
de fazer o que me fazia feliz.

À medida que eu fui ganhando respeito,
também fui ganhando acesso a salas menores,
a poderes maiores.

E ali eu comecei a ver descaso.
Fofoca.
Competição velada.
Mentira, pra lá e pra cá.

Comecei a ver gente que eu respeitava agindo de forma antiética.

Entendi que,
ou eu me tornava um deles,
ou sucumbia.

Sucumbi.

Acumulei infecções.
Entrei em depressão.
Tive crise de ansiedade.
Comecei a beber whisky todas as noites pra conseguir dormir.

Quatro anos atrás, eu tentava deixar isso tudo pra trás.
Eu começava a buscar um jeito diferente de ver a vida.
Eu começava a me ouvir, e a me respeitar.

Eu começava a entender
que o meu valor não estava nas horas que eu dedicava a uma empresa,
ou no quanto eu ganhava.

Eu começava a me encontrar de novo.

Hoje,
me vejo aqui,
sentada,
quarentenando,
traduzindo o meu primeiro livro.

Sabendo direitinho quem eu sou.

Tendo precisado adoecer tudo de novo.
Tendo precisado tomar porrada de todos os lados
pra finalmente entender.

Sabendo que talvez eu precise tomar mais algumas porradas,
e que às vezes a vida usa de meios não tao pacíficos pra nos ensinar as coisas.

Me sinto liberta.
Que bom que eu comprei esse caderninho.

Com amor,
Carol Miltersteiner 💛

Carol Milters

Carol Milters

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

Autora do livro "Minhas Páginas Matinais: Crônicas da Síndrome de Burnout", idealizadora da 1ª Semana Mundial de Conscientização da Burnout e do grupo de apoio online Burnoutados Anônimos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

Mais crônicas

Nunca foi sorte

 A sorte e o inesperado são inegáveis.Chame isso de universo, de aleatoriedade, de Deus, de destino, mas entenda que não tá tudo na nossa mão.

Continue lendo »

Artigo em destaque

Sem corte seco

Quando foi a última vez que você ficou esperando o computador ligar? Que você ficou sentado ali, olhando por minutos, enquanto ele iniciava o sistema operacional. Você parte de uma tarefa para outra em um instante? O quanto você está presente?

Leia mais »
0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x