Compaixão é uma palavra que anda presa aqui na garganta, querendo sair. Querendo se expressar no mundo, querendo contagiar e se fazer presente em mim.
Compaixão é, talvez, a coisa mais importante que a gente precise levar pra próxima década. É, com certeza, uma das coisas mais importantes que a gente precisa praticar no aqui e agora.

Não é fácil se despir do julgamento, que é o oposto da compaixão. Não é fácil se assumir vulnevável, sair do posto de donx da verdade. Não é fácil aceitar a vida como é, as coisas e as pessoas como elas são, a gente mesmo como veio ao mundo.

Quem dera existisse um pó de pirlimpimpim que acabasse com a dor, zerasse a angústia, extinguisse a miséria, curasse a ansiedade, aniquilasse os perigos da esquina.
Mas não existe esse pó.

O que existe é acordar, dia após dia, colocar os pés pra fora da cama, e se ver consigo e com o mundo. Com tudo o que o mundo tem de estranho, com tudo o que a gente tem de boleto e de dor de cabeça. O que existe é conversar com as angústias, investigar a que vieram, agradecer pela tentativa de cuidar da nossa sobrevivência desse jeito torto, e aceitar que as levaremos vida afora. “Por isso mesmo é que há de haver mais compaixão”, diria o Gil.

Era por outros motivos que ele cantava, mas esse verso é verdadeiro em qualquer dia, em qualquer hora da nossa vida. Sempre cabe um pouco mais compaixão.

Nos nossos processos internos, não há como nos entendermos sem ela. Seria insuportável viver olhando só pro nosso vazio e lamentando por tudo o que a gente NÃO é e tudo o que a gente NÃO faz. Ao invés disso, nos perdoar, perdoar a quem a gente permitiu que nos causasse dor. Não tem a ver com concordar, veja bem; tem a ver com aceitar o que é e se permitir seguir adiante.
A nossa saúde mental requer compaixão.
Pesquise aí, autocompaixão + saúde mental.
Não se nasce com ela aflorando em nós. Eu que sei.

Precisei que os livros me explicassem por que ela é fundamental. Precisei entendê-la racionalmente, entender como ela se manifesta no nosso sistema nervoso, pra finalmente aceita-la, buscá-la e, vez que outra, me autorizar a senti-la.

E que bom que ela existe.

Carol Milters

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Copy Link
Copy link