O seu ritmo não é igual ao de ninguém.
Sequer é igual todo dia, todos os anos.

Eu sou sedentária pra burro.
Se pudesse, eu me locomovia deitada.
Quando chego no rolê, meus olhos buscam onde dá pra sentar.

Imagina como foi ter chegado no ápice da exaustão física e emocional já não tendo lá muito de onde tirar.

Foram uns dois anos fazendo menos de 20 minutos de yoga, caminhando um pouquinho e descansando um poucão.

Hoje eu saí pra correr 3km.

A minha meta é fazer 5km em 30 minutos até abril do ano que vem.

Se você tá acostumado a correr, pode achar essa minha meta patética.

Azar o seu.
O meu ritmo não é igual ao seu.

E pra mim, essa meta tá ótima: ela me desafia sem ser inatingível.

Hoje eu saí pra correr 3km.

Caminhei mais da metade do tempo.
Fiquei morrendo de sede.

Acelerava, cansava, diminuía o passo e descansava.

Eu entendi que, pra poder continuar bem mentalmente e realizar o que eu desejo, vou precisar me esforçar fisicamente – azar o do meu sedentarismo.

Eu ainda tô descobrindo o meu ritmo.
E não só isso: eu tô me permitindo, depois de dois anos, desafiar esse ritmo.

Porque AGORA eu posso.

Se você tá exausto, talvez você precise se desafiar a descansar mesmo. E fazer 10 minutos de yoga pra começar a liberar o teu stress.

O seu ritmo não é igual ao de ninguém.
Delicie-se com essa liberdade como puder.

Com amor,
Carol Miltersteiner 💛

<b>CAROL</b> MILTERS

CAROL MILTERS

Escritora & Investigadora da Saúde Mental no Trabalho | Síndrome de Burnout & Workaholismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO E CONTINUE A CONVERSA

0 0 votes
Avaliação deste texto
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos e dicas sobre saúde mental no trabalho, síndrome de Burnout, workaholismo e escrita terapêutica no seu e-mail:

MAIS DROPS

0
O que achou deste texto? Me conta nos comentários 💛 x
()
x